você está lendo...
Prosa

Vertigens

De uma só vez. Por uma só voz meu coração batia em ritmo de tango. A qualquer instante ele poderia parar, desistir de sufocar o pranto e irromper num choro de lágrimas de sangue, compulsivo. Daí a pouco, uma valsa para um suicídio. Não mais meu canto, não mais meu riso. Daí a pouco nada mais seria preciso daquilo que um dia dizia-se que eu fosse.

Em uma só voz. A valsa tocava, o tango do meu coração descompassava. E era simplesmente mais um daqueles instantes em que a força cala e a dor grita. Com paixão?? … Sem amor. A valsa era triste e o tango não quereria continuar. De uma só vez: nenhuma voz só. Só o silêncio de escrúpulos e a solidez da solidão. Eu já sorvia o sangue que jorrava, agora só escuridão e o doce levemente picante do grito. Acima do som eu podia ver meu próprio corpo jogado, e era frio, e era só. Não mais a dor, não mais a dúvida, não mais o perdão. Sempre é tarde. Morrer é fácil, viver é que é difícil. … Era difícil.

Sem voz para mover-me, sem versos pra enferrujarem nos meus dentes quase insípidos. Jazia o tango na mão, e a valsa insistente de fundo, bem de fundo, estatelada no chão. Por uma só vez. Eu faria o que fosse preciso: sufocaria o grito, o pranto e o ranger de minhas pernas desritmadas. Dançaria a valsa, esqueceria o tango e, quem sabe, a noite não seria demasiadamente derradeira. Era urgente valsar. Junto à valsa, estatelei-me: não passaria do chão e, se aquilo já era o inferno, se o sangue também urgia, rasgava e abafava meu cantar, só me faltava morrer, porque isso, sim, era irritantemente esplêndido e fácil. As marcações em contraponto eu não conseguiria alcançar. Valsei, valsei, valsei depois do gole de veneno. E tudo pra que eu caísse ainda uma outra vez, sentisse o arder das lágrimas de sangue e considerasse a hipótese de não ter morrido.

Como um sussurro, a música: de uma só vez, por uma só voz eu voltaria. O tango soprado me retomava a vida. Sobre as feridas vermelho-vivas uma leve e fina camada brilhante. Agora, cantava o tango em meu ouvido e eu só sentia, ainda, o grito. Ousou me pedir que eu levantasse, ousou beijar sofrida e intensamente meus olhos e dizer, com todo o silêncio daquela força, com toda a dor daquele grito, que percebeu que me amava. O coração que valsava em perdição retomou o ritmo, foi reconduzido ao contraponto da vida e o sangue, todo o sangue de minha alma, pingava espaçadamente, fazendo desenhos no ar.

Anúncios

Sobre Paola Giovana

Sou catalisadora, capricorniana e artista. Faço o que gosto: crio. Acredito que vá gostar. Sei que ao menos não ficará imune. Minhas armas são irresistíveis: cinema, design, música e literatura.

Discussão

2 comentários sobre “Vertigens

  1. uau,intenso e triste como o próprio tango. E o amor, sempre ele como instrumento de redenção pra nossas crises mais agudas. Só o amor cura o desespero da solidão, e o amor também tem gosto de sangue. “E era simplesmente mais um daqueles instantes em que a força cala e a dor grita. Com paixão?? … Sem amor. A valsa era triste e o tango não quereria continuar. De uma só vez: nenhuma voz só. Só o silêncio de escrúpulos e a solidez da solidão. ” adorei o jogo de palavras! excelente Paola!

    Publicado por carina | 19/06/2011, 18:25
  2. Ah, menina, às vezes parece que escrevo sobre os mesmos temas. É bom brincar com as palavras, pelo menos… Bom que gostou! =D

    Publicado por Paola Giovana | 21/06/2011, 19:18

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Quem escreve

Ih! Falei!

  • Perceba o poder da edição e do design de som ao ver essa babá quase perfeita se transformar numa quase demônia vimeo.com/18189077 3 days ago
  • RT @citacao: de Sigmund Freud: Quando a dor de não estar vivendo for maior que o medo da mudança, a pessoa muda. 1 week ago
  • RT @citacao: de Nelson Mandela: Perdoem. Mas não esqueçam! 1 week ago
  • Qual o retorno que vc recebe de seus companheiros de curso sobre suas produções na universidade? Considerando algo diferente de "gostei"... 2 weeks ago
  • Um brinde a todas idéias brilhantes que já esqueci! Que elas voltem da sopa primordial como estrelas: um passado que ainda ilumina. 2 weeks ago

Coloque seu email para assinar este blog e receber novos textos por email

Junte-se a 2.008 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: